slideshow

11 de junho de 2017

#Resenha: Isla e o Final Feliz - Stephanie Perkins



Tímida e romântica, Isla tem uma queda pelo introspectivo Josh desde o primeiro ano na SOAP, uma escola americana em Paris. Mas sua timidez nunca permitiu que ela trocasse mais do que uma ou duas palavras com ele, quando muito. Depois de um encontro inesperado em Nova York durante as férias, envolvendo sisos retirados e uma quantidade considerável de analgésicos, os dois se aproximam, e o sonho de Isla finalmente se torna realidade. Prestes a se formarem no ensino médio, agora eles terão que enfrentar muitos desafios se quiserem continuar juntos, incluindo dramas familiares, dúvidas quanto ao futuro e a possibilidade cada vez maior de seguirem caminhos diferentes.
Com participações de Anna, Étienne, Lola e Cricket, personagens mais do que queridos pelo público apresentados em livros anteriores da autora, Isla e o final feliz é uma história de amor delicada, apaixonante e sedutora, um desfecho que vai fazer os fãs de Stephanie Perkins suspirarem ainda mais
 
EDITORA: Editora Intrínseca | ANO: 2015  | PÁGINAS: 304 | CATEGORIA:  Jovem Adulto


Isla e o Final Feliz é o terceiro livro da trilogia Anna, Lola e Isla, escrito pela Stephanie Perkins e publicado aqui no Brasil em 2015. Eu fiquei surpresa ao perceber que já se passou certo tempo e infelizmente eu não tenha lido este livro antes do que eu realmente desejava. Anna e o Beijo Francês e Lola e o garoto da Casa ao Lado foram publicados pela Editora Novo Conceito, mais o desfecho foi comprado pela Editora Intrínseca. Stephanie conquistou muitos fãs com seus livros, uma autora renomada e com uma escrita que te prende do começo ao fim. Só quem leu seus livros sabe do que eu estou dizendo. 

Enfim, Isla é a protagonista da vez. É uma garota extremamente tímida, que estuda em uma escola americana em Paris. Sua vida não é nada fácil, além de lidar com situações em seu cotidiano, ainda precisa auxiliar seu melhor amigo – quase que irmão -, Kurt a sobreviver ao preconceito que as pessoas tendem a ter por sua deficiência. Ok é uma palavra feia de se colocar em uma resenha, mais vamos chamar o “problema” de Kurt pelo verdadeiro nome – Síndrome de Asperger – e encarar a realidade assim como todos deveriam. Além disso, tudo, Isla tem que lidar todos os dias com Josh, sua antiga paixão que parece não notar sua existência.

Porem este ano as coisas estão diferentes e Isla sente aquela pontada de esperança: Josh esta solteiro, e uma oportunidade única durante as férias da chance de Isla se aproximar dele. Por coincidência eles estão na mesma lanche em Nova York, quando Isla resolve se aproximar e puxar assunto.
Só que por uma situação ruim, Isla acaba de extrair um dente e está totalmente dopada pelos medicamentos, o que faz a aproximação se tornar um tanto desastrosa. De volta à escola em paris, Isla entra em desespero ao lembrar-se do acontecido daquela noite, e seu desejo é reencontrar Josh e pedir desculpas a ele por aquela noite. 

Aos poucos, a partir desse ponto, Josh vai se aproximando da nossa protagonista, expondo sua vida, a ela e a nós leitores também. 

Juro que quando comecei a ler este livro, me senti esquisita, tanto pela forma com que a autora nos introduziu ao livro e nos apresentou os personagens. Perkins conseguiu mais uma vez me conquistar do começo ao fim, enfatizando seu dom de transformar histórias chamadas de “clichês românticos” em uma história envolvente e especial. Perkins trouxe um livro com narrativa fácil e fiel para que possamos entender e nos afundar ao trama e encarar a situação juntamente de Isla. 

A autora nos trouxe uma nova protagonista, super inteligente, além de todo esse amor carregado dentro de páginas e capítulos. Encaramos a realidade, a falta de tolerância dentro dos colégios americanos na França, além de outros problemas, tornando ainda mais real a história. Se eu já amava e desejava conhecer a França, depois deste livro, cheio de historias, explicações, lugares históricos expostos de forma clara e detalhados, te introduzindo ao livro do começo ao fim. Sim, me coloquei no lugar de Isla. 

Todo livro trás algo, deixa algo com a gente, e uma das conseqüências em ler este livro foi uma conexão intensa com a personagem. A intimidade de Isla, suas qualidades e defeitos exibidos do começo ao fim. Isla é uma personagem bem diferente das outras duas personagens criadas por Perkins. E me identifiquei com ela em diversos momentos, tanto no seu jeito, nas qualidades, na timidez, na amizade, em tudo. E quanto ao Josh? Seria errado dizer que além de protagonista desta história, ele deixou aquela curiosidade totalmente focada nele. Sua vida é extremamente interessante, além de suas características que fazem você se apaixonar por ele a cada aparição sua. 

Além da grande jogada da autora em introduzir um personagem diferente em seu desfecho: Kurt. Portador da Síndrome de Asperger é claro que a autora se arriscou ao introduzir um personagem que segue características pré-determinadas pelo seu problema. Acredito que tenha sido um desafio e tanto para a autora e para as pessoas que carregam consigo não só esta síndrome, mais outras doenças que não entendemos. Kurt foi um personagem especial, embora extremamente sincero, causando certa rejeição, mais no fim começamos a entender e compreendê-lo. Ele desperta empatia, simpática.
Eu estava tão encantada com a história que a minha ficha só caiu de verdade no final do livro: O reencontro de Anna, St. Clair e Lola. Infelizmente eu não me lembro muito bem de nenhum dos dois livros, mais quando fora lançado Lola e o Garoto da Casa ao Lado, me apaixonei e li em um único dia, por ser tão bom. 

Se você curte uma gênero “chick lit”, com um romance do começo ao fim, além de clichês, e final previsíveis, te indico esta leitura. Ainda que Isla e o Final Feliz fuja totalmente do contexto, Começo, meio e Fim. Temos grandes reviravoltas que te fazem pensar: - Não tem mais jeito, eles não vão ficar juntos.

A capa é simples, de alguma forma não me chamaria à atenção caso eu estivesse em uma livraria, assim como a sinopse. Mais você parando para de fato ler, vai perceber que não faz sentido não tirar um tempo do seu dia e ler este livro. Por que é bom demais!

Foi uma grande jogada da autora, um desfecho perfeito! Se você já leu os dois livros anteriores, vai perceber algo bem visível, a autora teve um amadurecimento muito grande, em todos os elementos da história é notável isso. Isla e o Final Feliz é doce, humorístico, romântico. São tantas qualidades que mal notei as falhas. Apenas leiam.  

Para quem quiser ler este livro, clique aqui e boa leitura!! E ah, caso queiram ler a resenha que eu escrevi de "Lola e o Garoto da Casa ao Lado", segue o link aqui
Nota:  
 

4 de junho de 2017

#Resenha: Boa Noite - Pam Gonçalves

"Sinopse: Alina quer deixar seu passado para trás. Boa aluna, boa filha, boa menina. Não que tudo isso seja ruim, mas também não faz dela a mais popular da escola. Agora, na universidade, ela quer finalmente ser legal, pertencer, começar de novo. O curso de Engenharia da Computação — em uma turma repleta de garotos que não acreditam que mulheres podem entender de números —, a vida em uma república e novos amigos parecem oferecer tudo que Alina quer. Ela só não contava que os desafios estariam muito além da sua vida social. Quando Alina decide deixar de vez o rótulo de nerd esquisitona para trás, tudo se complica. Além de festas, bebida e azaração, uma página de fofocas é criada na internet, e mensagens sobre abusos e drogas começam a pipocar. Alina não tinha como prever que seria tragada para o meio de tudo aquilo nem que teria a chance de fazer alguma diferença. De uma hora para outra, parece que o que ela mais quer é voltar para casa. "

EDITORA: Editora Galera Record | ANO: 2016  | PÁGINAS: 240 | CATEGORIA:  Jovem Adulto

Hoje trago a resenha de um livro nacional, para quem não conhece Pam Gonçalves recomendo muito que procure seu canal no youtube e a conheçam.
Conheci suas resenhas no início do meu blog e sempre gostei da forma com que ela falava. E ontem, por acaso resolvi parar para procurar livros de leitura rápida e indicaram “Boa Noite” em um desses vídeos que eu vi. 

A trama nos apresenta Alina, uma garota de 18 anos que sai de Laguna para cursar Engenharia da Computação em Pedra azul, uma cidade próxima de Florianópolis. Seu principal objetivo é deixar para trás, no caso em sua antiga cidade, o status de garota ‘nerd’ e desde o começo é obvio seu desejo por ter muitas aventuras. Alina e outras três meninas são as únicas mulheres que cursam engenharia, e em meio há este semestre terão que enfrentar situações de preconceito e muito machismo de seus colegas de sala e até mesmo de seus professores, que acreditam que esta área de engenharia não é para mulheres. 

Alina é uma personagem carismática e fácil de gostar e compreender a ela desde o começo. Inteligente, responsável e com anseio de mostrar sua capacidade e adora desafios. Nunca morou sozinha e deixar a casa dos seus pais foi mais um dos desafios enfrentados por ela. Neste livro vemos sua jornada de crescimento e amadurecimento. 

A garota dividirá a republica das loucas com Manu que estuda Comunicação, Talita e o namorado Bernardo que estudam Administração, e o Gustavo que é estudante de Medicina. Ao lado deles Alina começará uma fase nova em sua vida fará novas amizades, conhecerá pessoas, e sairia da sua zona de conforto ao arriscar-se tanto. Neste caminho ela passará por muitas coisas, principalmente envolvendo sua primeira decepção da vida adulta. Com o apoio das amigas do curso, elas embarcam a fundo num projeto que não apenas provará o quanto elas são capazes e inteligentes, mais como também poderão ajudar milhares de garotas.

Através de uma página anônima no facebook, que traz notícias de tudo o que acontece na universidade e principalmente nas festas regadas a muita bebida, além de acontecimentos recentes e denúncias feitas pelas estudantes que sofreram qualquer tipo de abuso que elas, têm a idéia para o projeto que baterá de frente com pessoas de posse dentro da própria universidade.
Enfim, eu poderia me aprofundar melhor nesta resenha mais por alguns motivos como:
- O livro é bem curto, de uma narrativa rápida e que boa parte dos conflitos envolve o final do livro, apenas peço que leiam.

“Boa Noite” não trata apenas de amizade, mais sobre os laços que podemos constituir com alguém quando precisamos superar um desafio, fala sobre seguir em frente depois de um problema, e como passar por cada obstáculo e desafio dado pela vida, ou simplesmente por escolhas mal feitas. Este livro foi uma das primeiras obras de Pam. Li em dois dias mais por preguiça mesmo. É uma leitura que flui facilmente, com palavras do cotidiano e fáceis de entender e interpretar. Temos doses de drama, cenas cômicas, romance e problemas que fazem a trama ser mais leve, fofa e reflexiva. Quando comecei a ler eu confesso, imaginava algo totalmente diferente.  Mais pelo simples fato de eu não estar lendo fazia algum tempo, encontrar “Boa Noite” me fez sair da zona de conforto pelo menos neste final de semana. 

No geral Pam desenvolveu uma história rápida, gostosa e que retrata de assuntos que embora não seja comentado como preconceito, machismo, abuso e agora o tão falado empoderamento feminino de forma leve e divertida, nada tão abusivo ou carregado. Além de algumas referentes de filmes e movimentos reais. Vale à pena conferir para quem busca algo leve e rápido.

Para quem deseja ler e não encontra-o em plataformas que disponibilizem livros gratuitos, clique aqui e aproveitem. Lembrando que o livro físico tem 240 páginas enquanto o pdf disponibilizado pela Issuu, tem bem menos páginas. O que não muda nada. Boa leitura.

23 de abril de 2017

#Resenha: A Noiva Fantasma - Yangsze Choo

Até que a morte os aproxime
“Certa noite, meu pai me perguntou se eu gostaria de me tornar uma noiva fantasma...”
1893. Li Lan é uma jovem que recebeu educação e cultura, mas que vive sem grandes perspectivas depois da falência de seus pais. Até surgir uma proposta capaz de mudar sua vida para sempre: casar-se com o herdeiro de uma família rica e poderosa. Há apenas um detalhe: seu noivo está morto.


EDITORA: DarkSide Books | ANO: 2015  | PÁGINAS: 310 PDF | CATEGORIA:  Ficção Fantástica.

Li Lan é uma jovem que tem por volta dezessete anos, e a história nos introduz ao ano de 1800. Embora jovem, Li Lan te joga desde o início nos conflitos da sua vida. Ela sabe escrever, ler, e tem uma educação básica e sabe se comportar bem diante de diversas situações - e pessoas - graças a sua Amah, que no caso pode ser considerada uma babá ou uma cuidadora. Sua mãe morreu há muitos anos, e hoje, Li Lan vive em uma casa enorme, juntamente de empregados, de sua Amah, e com seu pai, que passa muito tempo em casa, mais ainda assim é extremamente ausente, passando a maior parte do seu tempo trancado em seu escritório fumando. 


Infelizmente a família de Li Lan vive a beira da miséria por conta do vício do pai. Boa parte dos amigos da família se afastou com o tempo, e a única solução – da época – seria arranjar um bom casamento para Li Lan, sendo ela jovem e bonita. 


É quando durante uma conversa com o seu pai, ele anuncia que a família do morto Lim Tian Ching ofereceu um casamento a ele, que poderia mudar a vida deles. Embora a vida deles sejam bem diferentes, a família de Lim Tian Ching que ainda vive o luto do filho, mais continua vivendo sobre um luxo total. Com comidas de qualidade, louças de primeira linha, e uma casa grande e luxuosa. Enfim, tudo o que Li Lan após a falência, não tinha mais acesso. Mesmo que este casamento poderia deixar ela confortável e melhorar tanto a vida dela, quanto a do seu pai e da Amah, a idéia de casar-se com um morto, definitivamente não passava na cabeça de Li Lan. Mesmo Lim Tian Ching estando morto, a garota deveria manter-se fiel ao marido que ela nunca viu e nem mesmo o verá. 


Após receber a oferta, a família de Lim Tian Ching a convida para uma visita em sua grande mansão, para conhecer a garota.  Sem querer, após se perder pela mansão, Li Lan conhece o primo do família, Tian Bai. Que também poderá mudar a sua vida, e traçar novos rumos para a garota, no decorrer de todo o livro.


Quando comecei a ler “A Noiva Fantasma”, simplesmente me prendi a essa leitura. É uma trama impossível de se deixar de ler. Tem uma beleza dentro deste livro que me prendeu do começo ao fim. Fazia um tempo que não encontrava um livro com tanto conteúdo, e histórias, coisa que sempre me agradou. Tem muitas descobertas, reviravoltas, e muito, mais muito conteúdo para quem gosta de livros com muita emoção. 


Lembrando que este livro é de 2015, e pensar que não conhecia esta obra, tão pouco a editora que lançou este livro. A autora é descendente de Malaios, e trouxe uma carga enorme de tradições de seus antepassados, histórias, lendas, enfim, é uma bagagem completa para se descrever aqui. Somente lendo.


A narrativa da autora Yangsze Choo é única. Tem um conhecimento tremendo, além de saber prender e contar uma história como ninguém.

Li Lan tem uma jornada fascinante entre dois mundos. Traçando uma linha tênue entre um romance há uma grande tragédia. Contada de forma poética, que te faz viajar e entrar a fundo nas descrições da autora. 


Posso considerar este livro romântico, embora esperasse um conteúdo mais “terror”, o que eu vi foi apenas muito suspenso. Além de contar e ler sobre assuntos de costumes, comidas, roupas, e educação dos Malaias. Aqui neste livro você encontrará sobre tudo, e chega a ser fascinante.

Infelizmente o final não era exatamente o que eu esperava. Posso dizer que desde o começo eu me prendi a história, tentei não criar expectativas quanto às decisões da personagem. Que tomou um rumo inesperado no final. Enfim, o livro em si é perfeito, mais o final deixa o leitor com cara de idiota, e simplesmente sem saber se gostou ou não do livro. Ainda não me decidi, afinal, esperava um final melhor já que o livro em si, é carregado de doses de emoção.

Mas fora isso, o livro é bom! 


Quanto à editora DarkSide Books:

Este livro eu consegui encontrar no site LeLivros.com. Por hora só estou cobiçando o livro no site, esperando o momento certo para comprá-lo. Sou fascinada por livros de capa dura, e com uma diagramação tão boa. Cada detalhe pensado com a trama. Tudo se completa. Não é apenas uma história boa, mais a edição em si da Editora, traz uma riqueza a cada folha.

Boa leitura. 

NOTA

12 de abril de 2017

Adeus, ex-amor.

Tem chovido bastante por aqui. O céu tem estado mais nublado do que o normal, e durante a noite, está um pouco mais frio do que nos dias anteriores. Talvez não faça sentido essa descrição para você, mais para mim faz. De uns tempos atrás eu estava exatamente como este céu, apagado, nublado, chovendo mais do que o normal. Logo depois que você resolveu ir embora e apagar toda a história que construímos juntos, eu me esforcei para me tornar alguém melhor para que nunca mais houvesse partidas. Não sou boa com despedidas, mais todas as noites ao deitar no meu colchão, me lembro de como foi ruim te ver virar as costas para mim, diferente das outras vezes, sem me abraçar ou até mesmo me beijar.

Hoje, após quase seis meses sem estarmos juntos, não posso negar que sinto a sua falta. Que muitas vezes eu sai na rua na esperança de te ver e você me abraçar como se nada tivesse acontecido. Mais infelizmente eu sei que isso não irá acontecer.

Estou escrevendo isso, não por que sinto a sua falta, nem mesmo por que você me serviu de inspiração. Mais é pelo simples fato de me lembrar todos os dias – infelizmente – da sua despedida. E também por me lembrar depois de tudo, que eu ainda posso ser feliz, que eu ainda posso sorrir. E que certas despedidas, não são tão ruins quanto imaginamos. É difícil no começo? É claro que sim. No fundo achamos que essa dor do termino de um relacionamento, talvez não vá se cessar. Mais ela cessa, a ferida cicatriza, às vezes a cicatriz lateja, pulsa, dá saudade, dá arrependimento de talvez ter feito algo diferente, mais do que me adianta lamentar agora que você já se foi?

Muita gente me olha na rua e com certeza lembra-se de nós dois, por que éramos NÓS! Hoje, sou eu, e hoje você é simplesmente você. Não há mais NÓS quando definem a gente. Só a lembranças de nós dois juntos, talvez rindo feitos loucos no meio da rua. Das nossas brigas constantes, choros, discussões, xingamentos desnecessário ou dos momentos em que estávamos simplesmente bem, um com o outro.

Se me perguntarem sobre você, se tenho te visto, a resposta vai ser não. Não posso negar que te acompanho às vezes nas redes sociais, nem mesmo que te acho o mesmo cara lindo que me apaixonei há dois anos e meio atrás. Não posso esconder a falta de ter dias longos durante a semana, e aos sábados torcer para que as horas passassem bem devagar, para que eu pudesse te ter mais tempo comigo. Ou de quando a gente brigava se resolvia, e sorria um para o outro. Talvez no fundo julgando-se idiota por permitir-se amar alguém tão difícil. 

Ultimamente meus dias tem sido bons. Não lembro tanto da gente quanto costumava lembrar após a sua despedida. Tento focar meus pensamentos em outras coisas, e quem sabe, focar na idéia de amar alguém que goste de vindas, e não idas. E que também não suporte a idéia de me ver partir, sem me despedir, exatamente como você fez.

Não sei como você está. Possivelmente tentando provar para o mundo o quanto você está bem consigo mesmo. Talvez procurando aquilo que eu tinha, em outras amizades. Adoraria que sentisse a minha falta, não ao ponto de vir até mim e se desculpar por tudo. E acredite aquilo que tínhamos um com o outro, essa ligação que nos uniu por tanto tempo, e que hoje se rompeu, é raro. Não te culpo, somos ambos culpados, mais é uma pena ver que poderia ter sido um amor tão bonito, talvez não tão duradouro, mais um amor exemplo para outros que quisessem se apaixonar um dia. 

Só tenho a agradecer a você, por tudo. Desde o nosso começo até o fim dos dias! Obrigada por me fazer amadurecer e ver as coisas diferentes de como são. Por me provar que não é necessário ser amada para viver, e ser feliz de novo. Por me mostrar que eu posso sofrer mais eu vou me erguer e mais para frente entender que tudo serve de aprendizado. Talvez Deus tenha te colocado na minha por diversos motivos. E um deles, é aprender a dizer Adeus, mesmo que doa. 

Adeus a você, ex-amor.